Postagem em destaque

Como descobrir a senha criptografada de alguém

Sobre a inclusão de minoristas em filmes e jogos

Quando eu monto um personagem de RPG com os amigos o meu personagem é quase que uma cópia fiel minha, em jogos de vídeo-game também escolho os personagem que mais se parecem comigo, os personagens de filmes que mais me cativam são os que se parecem comigo... eu gosto de me sentir representado e isso me ajuda a me imergir naquela narrativa.
Um dos jogos que mais joguei na vida foi o Diablo II e eu só jogava de Necromancer ou Druida, porque eles eram fisicamente parecidos comigo. Adorava o Paladino e a Assassina, mas ele ser negro e ela ser uma mulher eram um impeditivo pra mim. Eu queria me sentir dentro do jogo, então escolhia sempre os que mais se identificassem comigo.
Isso sempre foi muito fácil pra mim, mas agora temos histórias com diferentes etnias e gêneros sendo lançados e nem sempre me vejo representado nessas obras. Pela primeira vez eu estou sentindo o que milhões de pessoas sentiram a vida toda que é essa falta de representatividade.
Não estou dizendo que todo protagonista tem que ser homem e branco, não! Eu estou vendo vídeos de negros chorando de emoção ao ver que o filme do Pantera Negra vai ser lançado, estou vendo cada vez mais mulheres se intitulando gamers e jogando com personagens femininas, estou vendo homossexuais acompanhando series complexas e bem feitas com protagonistas gays e estou sentindo que esse "nivelamento" cultural está dando o privilégio que eu sempre tive a vida inteira, mas que nunca parei pra pensar que eu tinha esse privilégio, para pessoas que nunca tiveram isso antes.

Os tempos estão mudando e, por favor, que mudem!
Vou continuar preferindo os personagens que se identifiquem comigo e que bom que outras pessoas podem agora se identificar com personagens que se pareçam com elas.