Postagem em destaque

Como descobrir a senha criptografada de alguém

Sobre pessoas grandes e cidades pequenas


Nasci e cresci na cidade de Porciúncula, no interior do Rio de Janeiro. Uma cidadezinha com quase 20 mil habitantes contando com seus dois distritos, mas na cidade mesmo deve haver algo em torno de 14 mil pessoas. As cidades vizinhas também são muito pequenas e ficam apenas 10-20 km de distância, o que faz daquela região um aglomerado de cidades pequenas. Por lá não há shows de bandas famosas durante o ano, não existem grandes indústrias e caso você queira fazer uma faculdade irá pegar ônibus para cidades um pouco maiores ao redor daquela região. Ou seja, é uma típica cidadezinha brasileira.

Lembro que em conversas com meus amigos eles diziam que tudo que queriam era ganhar até uns 5 mil reais por mês trabalhando por lá mesmo e assim montar a vida deles. Eu achava que aquele sonho estava errado, que era muito pouco pra tudo que a gente podia conquistar. Confesso que eu não me sentia bem estando lá, eu queria mais, eu achava que aquela cidadezinha não suportava o tamanho dos meus sonhos.

Aos 18 anos tudo que eu tinha eram duas casas que eu mesmo construí, uma pensão que recebia do meu falecido pai e o ensino médio incompleto. Achei aquele momento perfeito pra sair de lá, colocaria uma casa pra alugar, outra ficaria para minha mãe e somando com a pensão eu conseguiria me manter e assim fiz. Me inscrevi no vestibular para um curso técnico federal na cidade escolhida e um dia antes da prova me mudei para Campos dos Goytacazes, uma cidade com 500 mil habitantes, com avenidas, elevadores, shoppings, cinemas, grandes universidades, indústrias e muitas outras coisas que minha cidadezinha natal nunca teve.

Nas primeiras semanas fui pegando intimidade com a cidade, não conhecia ninguém e ninguém me conhecia, uma boa oportunidade para começar do zero. Me inscrevi em alguns cursos, frequentei alguns bares, fiz amizade com algumas pessoas e quando saiu o resultado daquele curso técnico que tinha me inscrito... eu passei e comecei a fazer técnico em Edificações no IFF. Meus novos amigos tinham planos bem diferentes daqueles amigos de infância, eles queriam rodar o mundo, montar empresas inovadoras, criar planos de investimento e como eu tinha um blogzinho de humor, o www.humorcomconteudo.com (esse endereço não existe mais, nem adianta procurar), e umas páginas relacionadas, eles me tratavam como um microempresário. Esse pensamento parecia exagerado, mas fez toda a diferença para que eu pensasse como um empresário e conseguisse fazer quase 20 mil reais com essa história de "internet".

Nessa altura já tinha me formado no ensino médio, terminado um estágio e o IFF entrou em greve. Não tinha nada para me ocupar, então resolvi fazer outro curso técnico, dessa vez em Meio Ambiente. Quando o Instituto Federal voltou da greve, eu vi que conseguia fazer mais um curso e fiz Técnico em Transação Imobiliária. Por incrível que pareça, fazer três cursos técnicos ao mesmo tempo, além de ser muito divertido e enriquecedor, ainda era pouco pra mim e comecei a fazer outros cursos livres aos montes. A medida que iam terminando meus cursos eu ia começando outros. Ao todo cursei Técnico em Edificações, Meio Ambiente, Transações Imobiliárias, Informática e, até mesmo, Mecânica de  Aeronaves.

Passei para um estágio em uma empresa de geotecnia e resolvi, finalmente, fazer Engenharia Civil. Quando o estágio terminou eles queriam me contratar, mas achava que ela era pequena demais pra mim. Trabalhei em outra empresa, depois em outra, depois em outra e hoje, com 24 anos, sou Fiscal Técnico de Contratos de um terminal de gás e petróleo em Macaé e mesmo ainda cursando a faculdade de engenharia, sou conhecido como "Engenheiro Marcelo Rodrigues". Ainda estou apenas no começo da minha carreira, quero ir e irei muito mais além, mas estou muito feliz pelos resultados das minhas escolhas até agora.

Tentei várias vezes trazer aqueles meus amigos de infância comigo, tentei mudar os planos deles, mas eu estava errado em pensar que seus sonhos não eram certos, pois não há mal nenhum em querer uma vida mais simples. Não é porque funcionou comigo que vai funcionar pra eles e vice-versa. Mas se você, assim como eu, quer ir além do mundo que te cerca... Vai! Existe um universo em constante expansão para ser explorado, então se liberte de suas amarras e mergulhe de cabeça nisso.

Tem uma frase que eu gosto muito e acho que ela se aplica a esse texto:
"A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original." - Albert Einstein